Arquivo do mês: setembro 2015

Ele foi doce. A verdade não.

Eu estava atrás dela, quando ela ouviu que o câncer é incurável. Ainda atrás, junto com ela, ouvi dizer que as consequências no seu intestino são irreversíveis. Quatro órgãos internos se colaram um no outro, no que eles chamam de … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Alice by Carlos Valle (parte 2)

Termina hoje a temporada das peças que trazem Alice, personagem inspiradas nos personagens femininos do autor Caio Fernando Abreu. Toda temporada ela é agraciada por fotógrafos desejosos de registrar seus momentos. O dessa vez, atende por Carlos Valle. Abaixo mais … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Minha tia poderia saber de você

Quando minha tia manifestou a preocupação em me ver sozinho no mundo, sem uma companhia para caminhar comigo, pensei em você. Sei que é um erro, mas é um hábito. Como outros que insisto em alimentar e que me matam … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Refém do seu corpo

Meu corpo tem uma memória sufocante e urgente. Não sei como lidar com isso. Como reagir a isso. Como lutar contra isso. Nem sei se devo lutar, talvez devesse só vivenciar, potencializar… mas e o medo do depois? Eu tenho … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Lições de Ariane Mnouchkine (2)

Fragmentos retirado do livro “A arte do presente”, lançado em 2011, pela editora Cobogó, lidas durante a oficina “Em busca do Indivíduo Cênico” Colocações que encaro como lições de casa para o teatro que acredito. Ou seja: obrigatórias!!! A principio, … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Lições de Ariane Mnouchkine

Fragmentos retirado do livro “Encontros com Ariane Mnouchkine”, lançado em 2010, pelas edições SESCSP, lidas durante a oficina “Em busca do Indivíduo Cênico” Colocações que encaro como lições de casa para o teatro que acredito. Ou seja: obrigatórias!!! O que … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

o menino da capa de chuva

Avistei de costas os cabelos alourados. Vi de lado os óculos. Não tinha me atido ao olhos verdes. Ao meu lado ele puxou papo, riu, buscou aproximação. Magro, alto, branco, frágil. O menino tinha uma delicadeza feminina, que ao mesmo … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário